header ads

"Eleições 2022 – Paraíba" - Por Waltair Pachêco de Brito Júnior

Aliança - I

Há dias que as especulações em torno de uma aliança João / Romero ocupam as redes sociais, as rodas de conversas nos mais diversos ambientes e até mesmo parte da imprensa. No meio político é por, demais conhecida, à expressão: “na política tudo é possível”, o que de fato parece ser, entretanto na humilde e particular opinião de eleitor deste que escreve, tal aliança possui elementos que não ajudam fazer valer a expressão acima.

1.      A inteligência do Mago – poucos políticos na Paraíba hoje têm a inteligência, esperteza, habilidade de conduzir alianças prósperas em torno de seus projetos como Romero, e ele sabe que esta não lhe renderia bons frutos, não atenderia os seus interesses apenas os de João, por mais que alguém lhe aponte o futuro de 2026.

2.      Ideologia – por mais político e liberal que Romero seja, seus conceitos, sua ideologia fazem oposição direta aos conceitos e ideologia defendidos por João, e isso tem de ser levado em conta em razão da questão mais obvia e fundamental para ele, seus eleitores.

3.      Números – os números alcançados por Romero em todas as avaliações feitas em torno do seu mandato de prefeito e mesmo após findá-lo, lhe alçaram ao patamar de maior força política em Campina Grande na atualidade, uma das maiores no Estado, além é claro do que se ouve a boca miúda de eleitores nos quatro cantos da Paraíba declinando voto a ele com elogios e em oposição ao governo de João.

4.      Memória – apesar de se dizer que o brasileiro tem memória curta, não acredito que a memória de Romero seja tão curta ao ponto de que ele não se lembre da aliança Ricardo / Rômulo Gouveia (in memorian), e o resultado desastroso que se deu, o tratamento, e a condição a que foi submetido o amigo Rômulo, que quase lhe custou a vida pública.

5.      Risco – não obstante qualquer ideia, proposta ou projeto que se conjecture hoje para o futuro, o risco de prejuízo em tal aliança é tão somente de Romero, não é de João nem dos que se dizem aliados do Ex-Prefeito e torcem para que a mesma aconteça de olho no que o estado lhes venha oferecer, e, diga-se de passagem, que é um risco muito alto prestigio, eleitor, status de liderança política, o risco de virar uma figura decorativa.

Às vezes é preciso recuar para poder seguir em frente, andar para trás nem sempre é retrocesso (Ayumi Nishikawa).

Aliança – II

Também, muito se tem falado da aliança Cássio / Veneziano, tendo inclusive, sido alvo de uma bem comentada matéria feita pelo amigo e excelente jornalista Lenildo Ferreira, entretanto a opinião simplória e mui pessoal deste é: dois bicudos não se beijam, muitos são os conflitos de interesses.

Pelo jeito, não se faz mais aliança como antigamente!

-----------

Para ler outras colunas de Waltair, clique AQUI.

----------

Waltair Barbosa Pacheco de Brito Junior é brasileiro, natural de Campina Grande/PB. Nascido em 04 de setembro de 1965, é formado em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Paraíba, cristão e casado.

Postagem Anterior Próxima Postagem