Responsive Ad Slot

header ads

O aumento de 8% para 44% de vagas nas UTIs é bom ou ruim? E quando assunto é ‘polícia’?

Nenhum comentário

18.10.21


Por Saulo Nunes 

Não sei se já mudaram o conceito de ‘notícia’ - ou se o que me ensinaram na faculdade de Jornalismo estava errado -, mas pelas minhas lembranças, o termo diz respeito àquilo que é ‘novo’, ‘diferente’, ‘incomum’. Lembro-me até de um velho exemplo que os professores citavam para reforçar a aula: “Um cachorro morder um homem não é notícia. Um homem morder um cachorro, aí sim, é notícia”.

Pois bem. Na última quarta-feira, 13 de outubro, o Instituto Sou da Paz divulgou uma pesquisa sobre os índices de elucidação de homicídios no Brasil e, até para a minha surpresa (que costumo pesquisar o tema), nós já alcançamos 44% de esclarecimentos dessas mortes violentas. Isso mesmo. “Já alcançamos!” Com essa força de expressão.

Para quem acha 44% pouca coisa - como li em várias manchetes de portais país afora -, nós passamos mais de dez anos sendo bombardeados com a informação de que “O Brasil elucida apenas 8% dos homicídios”. Vá ao Google e faça um teste com esses termos. E eis que, ‘do nada’, agora somos 44% de assassinatos desvendados.

Na minha inocente compreensão de ‘notícia’, o destaque deveria estar no aumento positivo dos índices. Afinal, ter um desempenho baixo nessa história - os tão disseminados “8%” - já foi dito e repetido milhares de vezes, ano após ano (façam o teste no Google). O que é novo, diferente e incomum no assunto em tela foi o salto de 8% para 44%. Concordam?

Mas ignorando o fator positivo desse bom crescimento, muitos grandes órgãos de imprensa do país preferiram insistir nos termos [a meu ver] mal colocados, do ponto de vista de informação, em suas manchetes. Para piorar, foi uma farra de CTRL C + CTRL V. 

Vejamos:  

- Correio Braziliense: Apenas 44% dos homicídios são esclarecidos no Brasil

- Carta Capital: Brasil esclarece apenas 44% dos homicídios 

- O Globo: Brasil esclarece menos da metade dos homicídios , diz pesquisa 

- Uol: Brasil esclarece apenas 44% dos homicídios, segundo Instituto Sou da Paz

- Isto É: No Brasil, apenas 44% dos seus homicídios são esclarecidos 

Censura?

É claro que a imprensa deve ser livre para se expressar da forma como quiser (dentro da legalidade, óbvio). Isso tem que ficar bem claro. Mas o que estamos tentando discutir aqui é o conceito de ‘notícia’. Um hospital que consegue sair de 8% para 44% de vagas de UTI disponíveis para tratar da Covid-19 é uma boa notícia em qualquer lugar do mundo.  

Já pensou um político-candidato qualquer saltar de 8% para 44% de aceitação popular? E o que dizermos de um aumento salarial nesses mesmos patamares? Bom... Acho que não preciso me esforçar mais com comparações.

“44% ainda é pouco”

Alguém pode - e vai - argumentar que “44% de elucidação de homicídios ainda é um índice baixo, quando comparado com os números de países desenvolvidos, que variam de 70% a 90% ou mais”. E eu concordo. Mas aqui, nós chegamos na segunda ‘vistas-grossas’ da grande imprensa nacional com relação ao debate. 

O próprio estudo do Sou da Paz informa - com pouco destaque, para variar - que a maioria dos assassinatos ocorridos nos países de primeiro mundo acontecem dentro de um ambiente familiar. “Marido matando esposa”; “Esposa matando marido”; “Sobrinho matando tio”; etc. É a badalada violência doméstica do Brasil. 

E o menos experiente investigador de uma Delegacia de Homicídios vai nos confirmar que os assassinatos em ambiente doméstico são os mais fáceis de se investigar, pois o crime já nasce praticamente elucidado. Todo mundo sabe quem é o(a) autor(a) do delito. Por vezes, o(a) assassino(a) já se entrega à polícia, quando não resolve se matar também. 

Muito diferente do Brasil, onde a maioria dos homicídios é orquestrada e executada pelo tráfico de drogas e o crime organizado, conjuntura totalmente adversa do fácil trabalho no primeiro mundo. Não vou nem detalhar as condições de aparelhamento nas polícias e a demanda de serviço entre as Nações (brasileiros matam muito mais do que os estrangeiros dos países comparados).  Como diz outra expressão popular: “O bom no bom é bom demais”.

O que é notícia?

- “Brasil salta de 8% para 44% na elucidação de homicídios”

- “Elucidação de homicídios no Brasil chega a 44%”

- “Se mantiver o ritmo, Brasil poderá atingir números de primeiro mundo na elucidação de assassinatos”

Longe de querer tolher a livre manifestação de interpretação na imprensa, mas do ponto de vista de ‘notícia’, os números do Sou da Paz revelam muito mais avanço do que estagnação. 

Para concluirmos, convido para uma reflexão:

“Quais são os percentuais de elucidação de homicídios no Brasil, quando se trata de violência doméstica?”...

-------------------

Para ler outros artigos de Saulo Nunes, clique AQUI.

---------------------

PERFIL

Saulo Nunes é formado em Comunicação Social pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Ingressou via concurso público no sistema penitenciário do estado em 2009, onde permaneceu como policial penal até o ano de 2015. A partir daí, também após aprovação em concurso, passou a trabalhar como Investigador da Polícia Civil. É autor de Monte Santo: A casa de detenção de Campina Grande

Fato a fato: Cronologia de um dia de turbulências na base de João. Leia e entenda

Nenhum comentário

9.10.21



Campina Grande foi cenário de um episódio de estremecimento público das relações entre o governador João Azevêdo (Cidadania) e o senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB) nesta sexta-feira, 08, quando Ana Cláudia Vital do Rêgo (Podemos), mulher do senador e secretária do governo João, retirou-se de uma solenidade no auditório da Cagepa, aborrecida por não ter sido chamada para a mesa.

Um dia, isso poderá ser história. Portanto, vamos a um ordenamento lógico dos fatos.

ANTES DE ONTEM

Alguns episódios anteriores a esta sexta-feira já sinalizavam que as relações entre Veneziano/Ano e João não estavam nos melhores termos. Exemplo mais claro disso foi a manobra do governador para “tomar” o Podemos do controle do grupo ligado ao casal, em julho.

As distensões decorrentes da movimentação foram inevitáveis, mas, recentemente, a própria Ana deu o assunto por encerrado.

Porém, especulações sobre uma provável candidatura de Veneziano contra João têm aumentado, e o senador, inclusive, apareceu esta semana em fotos cheias de demonstrações de parceria com o ex-presidente Lula, que busca uma base na Paraíba para 2022.

Coincidência?

SEM ESPAÇO

Nesta sexta, Ana não teve assento na mesa de João na Cagepa. Ao comentar o imbróglio, o governador alegou que teria sido apenas uma questão de falta de espaço na mesa e lembrou que outros auxiliares também ficaram nas cadeiras do auditório.

Ocorre que, se a mesa é um espaço de prestígio, havia figuras do governo com menos expressão que a secretária. Das duas, uma: ou o cerimonial foi simplesmente relaxado e pouco habilidoso, ou a separação foi intencional.

Sentindo que não cabia no lugar, Ana Cláudia se retirou.

REAÇÃO DE VENEZIANO

Veneziano, na condição de presidente em exercício do Senado, cumpria agenda em Imperatriz, no Maranhão, ao saber do constrangimento. Ele classificou o ocorrido como “um desrespeito”.

E falou mais: “Tomei conhecimento e penso que o gesto em si, deselegante e desrespeitoso, não foi só para Ana Cláudia, para a secretária e para mim, mas foi um gesto para todos aqueles cidadãos campinenses que se sentem, através de Ana e de mim, representados. Acho que ela fez bem. Ela tomou a decisão correta. Quando você não é querido, desejado, a pessoa que se queira estar junto, você deve reconhecer e dar uma saidinha”.

ALEGAÇÕES DE JOÃO

Durante coletiva ainda no palco do impasse, João Azevêdo garantiu não ter entendido o ocorrido e acrescentou que sequer teria percebido o que aconteceu. “Se o secretário que está no auditório não está sentado na mesa, é porque não cabia na mesa”, justificou, numa expressão que não ajudou a minimizar o clima.

“É preocupante. Justificar uma ação como essa só quem pode é ela própria. Os motivos que levaram ela a sair, eu confesso que não sei. Fui apanhado de surpresa com essa informação”, acrescentou.

Em seguida, o governador espetou: “Eu espero que esse não seja motivo para justificar outras atitudes”.

E AGORA?

O impasse, como não poderia ser diferente, rendeu uma infinidade de especulações sobre o que pode acontecer nos próximos dias na base de João Azevêdo. As relações com Veneziano podem normalizar, afinal, política é política.

Porém, a forma estranha como ocorreu o constrangimento tende a indicar que o governador criou um (forte) adversário para 2022. 

"Entrave na retomada e dicas para viagens" - Leia o novo artigo de Alessandro Sousa

Nenhum comentário

4.10.21



O presidente da Latam no Brasil, Jerome Cadier, falou recentemente que a reabertura dos Estados Unidos ao turismo “pode não ter um impacto tão forte como muitos tem apontado”. De acordo com Jerome, a falta de visto dos brasileiros pode atrapalhar.

Os EUA decidiram abrir suas fronteiras em novembro a turistas vacinados, porém aguardam-se os detalhes para essa liberação. Com dois anos sem a renovação do visto muitas pessoas que poderiam viajar estão sem a renovação do visto. “Até todo mundo renovar, teremos muita gente que não pode viajar mesmo sem restrição” disse o executivo. 

O que podemos perceber é que, isso fará as empresas aéreas adiarem a retomada de voos internacionais. No mercado domestico, estimasse que já em 2022 o número de voos chegue ao mesmo patamar de 2019. Para o mercado internacional, a estimativa é para 2023 e 2024. É fato que brasileiro gosta de viajar, tanto que a Latam registrou um crescimento de 350% na procura de voos.

Com o retorno das viagens, muitas coisas mudaram e abaixo, seguem 11 dias para sua próxima viagem:

1 – Planeje-se! Os processos em todas as etapas da viagem estão diferentes do pré-pandemia

2 – Flexibilidade é essencial. Veja as regras dos destinos e dos produtos comprados

3 – Atenção à documentação! Guarde tudo nos apps e/ou impressos e leve contigo

4 – Atenção à regra de entrada em cada país. Marque os testes necessários e preencha todos os formulários (não se esqueça de fazer o PCR para a viagem de volta ao Brasil)

5 – Siga os protocolos na viagem. Use a máscara corretamente, álcool em gel e mantenha o distanciamento

6 – Fique atento a regras diferentes dentro do mesmo destino

7 – Esteja preparado: os serviços estão diferentes

8 – Aproveite as viagens, mas sem exageros. Ainda estamos em pandemia

9 – O que puder comprar no Brasil, compre

10 – Viaje com seguro viagem! Mais importante do que nunca

11 – Invista em serviços exclusivos

----------

Alessandro S. Farias – Há 22 anos agente de viagens na DeltaTour CPV.

---------

Para ler outras colunas de Alessandro Sousa, clique AQUI.


"O puxadinho" - Opinião de Waltair Pacheco de Brito Júnior

Nenhum comentário

1.10.21



Puxadinho, é um termo popular para referir-se a uma construção anexa à principal, em um mesmo terreno, geralmente construída de forma irregular.

Já de um tempo, esta expressão tem sido usada por muitos numa referência ao Supremo Tribunal Federal - STF, como uma extensão do Partido dos Trabalhadores - PT, um anexo construído irregularmente.

Tal entendimento é decorrente das muitas decisões sem entendimento claro, sem fundamentação jurídica apropriada e por vezes até inconstitucional, a fim de favorecer o partido e ou quem faz parte do mesmo bem como os aliados. 

Em mais uma destas decisões que levam muitos a terem tal sentimento ou ideia, o Ministro Luís Barroso decidiu na ultima quinta feira, que missões religiosas não podem entrar em terras de povos indígenas isolados. A decisão do ministro atende, de forma parcial, pedido feito pelo Partido dos Trabalhadores e pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil.

Na decisão o ministro alega que, tal deferimento visa o direito à vida e à saúde dos povos isolados em terras indígenas. Ainda em suas alegações ele esclarece que a decisão se dá somente em novas frentes, isto é, novas missões, as já existentes não sofrem alteração, pois o “dano” que supostamente poderia acontecer no contato do índio com o homem branco, “ao que tudo indica não se consumou”.

Diante das próprias palavras do ministro esclarecendo sua decisão, fica difícil não assimilar a ideia de que, tal deferimento é o atendimento aos caprichos do Partido dos Trabalhadores na tentativa de impor derrota ao Governo Federal, a bancada cristã no congresso e aos evangélicos de forma geral que são à base de sustentação do governo.

Fica difícil aceitar a ideia de que o deferimento ao pedido do partido e o citado grupo, seja de fato a preocupação em defender à saúde e à vida do índio brasileiro, já que outros assuntos não são levados tão a sério nem têm ações efetivamente positivas em favor dos mesmos, a exemplo do marco temporal.

Outras questões como as constantes invasões de (n) grupos interessados na riqueza das terras indígenas, o investimento de bancos e fundos estrangeiros que investem em empresas acusadas de violar direitos destes povos, as indústrias farmacêuticas, de cosméticos e alimentos promovendo uma verdadeira invasão à vida indígena, não têm manifestação da corte.

Fácil mesmo é entender a guerra polarizada que se trava no País, e o lado que o STF tomou.

Qual o seu lado?

----------

Para ler outras colunas de Waltair, clique AQUI.

----------

Waltair Barbosa Pacheco de Brito Junior é brasileiro, natural de Campina Grande/PB. Nascido em 04 de setembro de 1965, é formado em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Paraíba, cristão e casado.


Boataria sobre 2022 correu solta em Campina Grande nesta segunda-feira. Confira

Nenhum comentário

27.9.21


Faltando um ano para o primeiro turno das eleições 2022, cassandras, nostradamus e videntes em geral, tão comuns e fartos na política tabajarina, intensificaram as previsões para a sucessão estadual, com foco para nomes de Campina Grande.

Vejamos os principais vaticínios.

BRUNO

A reunião do prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), com a cúpula estadual e nacional do DEM, rendeu ilações de que o gestor campinense poderia estar de mudanças para o partido que vai resultar da legenda de Efraim Morais com o PSL de Julian Lemos.

ROMERO

Já sobre o ex-prefeito Romero Rodrigues (PSD), as especulações foram sobre um suposto acerto do campinense com o atual governador, João Azevêdo (Cidadania), variando os “furos” em duas teses: Romero vai para vice ou para senador.

O ex-prefeito, aliás, anunciou uma pausa na pré-campanha para cuidar do ombro lesionado durante uma partida de futebol. Se não colocou as barbas de molho, pôs o braço na tipoia. 

Vai ficar pelo menos três semanas fora do jogo. 

VENEZIANO / CÁSSIO

De novo, está aí a ilação sobre uma dita parceria entre Veneziano Vital do Rêgo e Cássio Cunha Lima. Coisa que tem gente prevendo e apostando desde quando o primeiro era “o cabeludo” e o segundo, “o menino”.

E JOÃO?

Nas especulações em andamento, a convergência mais vista é que, salvo um rompimento com Veneziano, o governador João Azevêdo poderia até construir alianças que o deixariam sem adversário.

Terá o governador, noviço em mandato, tanta astúcia?

GADO

Não é questão de duvidar de nada, afinal, na política paraibana até boi voa. O problema é que as profecias/invencionices são verdadeiras tradições do período pré-eleitoral na Paraíba. O limite é a criatividade – e a criatividade de alguns é sem limite. Assim, no exercício da análise política a credibilidade vai para o espaço e a vaca vai para o brejo.

"Turismo em crise nos EUA" - Leia o novo artigo de Alessandro Sousa

Nenhum comentário

16.9.21


Em pesquisa recente, o Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) revelou que a economia dos Estados Unidos enfrenta uma perda diária de quase U$ 198 milhões se as atuais restrições de fronteiras forem mantidas.

Tomando como base 2018, dos 20 mercados mais importantes em termos de gastos internos, menos da metade atualmente tem acesso aos EUA, afetando gravemente a recuperação do setor de viagens e turismo do país. Os Estados Unidos permanecem fechados para muitos dos maiores contribuintes para economia americana de gastos de visitantes, incluindo Reino Unido, Alemanha, França e Itália.

A economia americana continua enfrentando dificuldades financeiras devido aos protocolos atuais de viagens de entrada, com potenciais perdas mensais de mais de U$ 1,2 bilhão; só o Reino Unido representa U$ 40 milhões por dia. Muitos países colocaram mais restrições aos visitantes dos EUA, agora é hora dos EUA abrirem suas fronteiras e darem ao setor de viagens e turismo e à sua economia um pulso.

Viagens e turismo geraram 16,5 milhões de empregos (10,5% do mercado total nos EUA) em 2019, em viagens de negócios, responde por U$ 358 bilhões. O crescimento financeiro não pode ocorrer com a mobilidade atual. O apenas para revitalização do setor empresarial dos EUA está grande, isto porque, o término dos programas de desemprego financiado pelo governo federal está chegando ou afim.

O apelo é manter os EUA seguro, mas o bloqueio de países onde a COVID-19 está sob controle causará danos a longo prazo aos meios subsistência. A pesquisa do WTTC mostra impacto dramático que o COVID-19 teve no setor de viagens e turismo, O PIB do país deve um declínio de U$1,87 trilhão em 2019 para U$1.1 trilhão em 2020. Contribuidor de Viagens e Turismo, está em jogo se os EUA não derem passos drásticos para reabertura segura em outros países.

Alessandro S. Farias – Há 22 anos agente de viagens na DeltaTour CPV.

---------

Para ler outras colunas de Alessandro Sousa, clique AQUI.



"Efeito Dunning-Kruger" - Opinião de Waltair Pacheco de Brito Júnior

Nenhum comentário

Em Homenagem a dois professores de psicologia americanos, David Dunning e Justin Kruger um fenômeno bastante comum, fruto inclusive de alguns estudos, recebe em 1999 a nomenclatura de Efeito Dunning-Kruger, após os mesmos identificarem a realidade deste em um estudo por eles idealizado realizando alguns testes com alunos da Universidade de Cornell.

A dupla conduziu um teste com voluntários que envolvia responder perguntas de lógica, humor e gramática e antes de darem os resultados, pediram que os mesmos se autoavaliassem. O resultado é que os com melhor desempenho nas avaliações, fizeram uma avaliação mais real, mas consciente, enquanto que os de pior desempenho superestimaram aos céus seus resultados.

O fenômeno se dá no fato de que pessoas com pouco conhecimento ou nenhum sobre determinado assunto, ter justamente a conclusão, a resposta, a ideia certa, o real entendimento sobre o mesmo em sua alto-análise sua magistral percepção, ou ainda inspirada, iluminada interpretação, que lhes garantem a ideia ou sentimento de estarem certos, de saberem mais do que outras pessoas mais bem preparadas, às vezes doutores até.

Tal sentimento leva os indivíduos que vivenciam o efeito, tomarem decisões erradas e obterem resultados desastrosos, às vezes com sérias, duradouras e ou permanentes consequências, e o que é pior, a incompetência gerada pela ignorância, isto é, a falta de conhecimento, impede a capacidade de reconhecer os próprios erros. Chamam isso de superioridade ilusória.

Este fenômeno atinge uma parte considerável da população e pode ser evidenciado em todos os campos, isto é, em todas as áreas da vida, mas, vejo com particular expressão ou maior intensidade, quando olho para o campo da política, esta parece apertar um gatilho especifico e despertar ou aguçar os sentidos e ou sentimentos das pessoas no que tange a conhecê-la e bem.

Tal percepção não necessita de um estudo especifico, basta olharmos as redes sociais para termos a ideia do quanto se propaga ali conhecimento do assunto, embora seja perceptível que a grande maioria expressa sentimentos e não conhecimento, fala do que pensa e não do que sabe.

Mas, quero chamar a atenção para os que fazem a política, isto é, os políticos, que têm que lidar com o gatilho do poder que com pouquíssima variação tende a despertar um sentimento de superioridade iludindo-os com a ideia de conhecimento pleno, de inegável sapiência, mesmo naqueles que experimentam a política como principiantes e nos mais velhos que não se dão a aprender, desprezando assim qualquer voz que com mais experiência e ou conhecimento os fale.

----------

Para ler outras colunas de Waltair, clique AQUI.

----------

Waltair Barbosa Pacheco de Brito Junior é brasileiro, natural de Campina Grande/PB. Nascido em 04 de setembro de 1965, é formado em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Paraíba, cristão e casado.


Negacionismo - Opinião de Waltair Pacheco de Brito Júnior

Nenhum comentário

2.9.21


Negacionismo (do francês négationnisme) é a escolha de negar a realidade como forma de escapar de uma verdade desconfortável. Trata-se da recusa em aceitar uma realidade empiricamente verificável, sendo essencialmente uma ação que não possui validação de um evento ou experiência histórica.

Negacionista – Relativo à negacionismo. Que ou quem nega ou não reconhece como verdadeiro um fato ou um conceito que pode ser verificado empiricamente.

A etimologia da palavra negacionismo, define bem o conceito ou ideia aplicada, relacionada, deixando claro que isto não ocorre em ações que denotem evento ou experiência histórica, uma vez que um ou outro denota uma realidade inegável, inconteste, um fato.

Partindo deste principio, entendemos que tal expressão não pode ser atribuída as ações do Governo Federal do Brasil no que diz respeito ao enfrentamento da pandemia, isto porque, qualquer ação já configura, identifica a aceitação da realidade existente, o evento (pandemia) e a história (os acontecimentos), como em outros momentos de pandemia já vividos, enfrentados. 

Percebemos então, que a expressão negacionista atribuída ao Presidente Bolsonaro assim como a seus apoiadores, não expressam uma ou a verdade, mas atende a narrativa de uma oposição, incoerente, leviana, inconsequente que não tem argumentos sólidos, números, dados científicos, que apontem uma má gestão ou ineficiência do Governo Federal quanto à matéria em questão, assim como em tantas outras.

Neste entendimento, fica mais aplicável, mais coerente a ideia de negacionismo às ações dos governos estaduais e municipais, que segundo operações da Policia Federal (aproximadamente 100) em todo o Brasil, tem detectado, identificado, irregularidades em contratos, fraudes em licitações, superfaturamentos, desvios de recursos públicos em mais de R$ 2 bilhões.

Tais ações se aproximam mais da ideia de se negar a realidade, ser negacionista, uma vez que ignoram o fato de que centenas, milhares de pessoas estão sofrendo e até morrendo por falta de equipamentos adequados, que sejam entregues, que funcionem, hospitais, profissionais contratados etc.

Nenhum governo é bom se não tiver oposição, mas nenhuma oposição é boa se não tiver coerência, respeitada se não tiver critérios, tem crédito se não pautar a verdade. 

Brasil acima de todos, Deus acima de tudo!

----------

Para ler outras colunas de Waltair, clique AQUI.

----------

Waltair Barbosa Pacheco de Brito Junior é brasileiro, natural de Campina Grande/PB. Nascido em 04 de setembro de 1965, é formado em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Paraíba, cristão e casado.

"A Guerra no Brasil" - Opinião de Waltair Pacheco de Brito Júnior

Nenhum comentário

25.8.21


Como vem sendo conversado no meio político (por alguns) e divulgado nas redes sociais (por muitos), a guerra no Brasil, não é entre ricos e pobres, pretos e brancos, leigos e cultos ou ainda proletariado contra burguesia.

 A guerra no Brasil é territorial e espiritual.

O Brasil é um País extraordinariamente rico, sobre todos os aspectos, seja em sua natureza, seu solo, seu povo, e isto é atraente aos olhos do mundo, é fato.

Esta é a razão do interesse de Nações e ou grupos em guerrear por nosso território.

Se antes as guerras territoriais passavam pelos canos de fuzis, de blindados ou ainda pelas explosões de bombas despejadas por aviões, pelos combates de soldados entrincheirados entre outros, as de hoje em sua grande maioria se dá no campo das estratégias políticas e comerciais, onde líderes de Nações ou grupos se valem da falta de patriotismo, ganância, ambição desenfreada e do mau caráter de muitos nativos que em suas mãos perniciosas têm a força de uma caneta, para vislumbrarem com a possibilidade de tomar ou assumir o território desejado.

A realidade desta guerra aparentemente invisível é visível quando vemos líderes de algumas nações e ou grupos hipocritamente cobrarem ações de nossos governos sobre assuntos e ou matérias que não dizem respeito aos mesmos, pleitearem direito à propriedade do que não lhes pertencem e encontrarem vozes nativas que lhe façam coro e mãos que os ajude e os favoreça.

Ainda, quando vemos representante de governo internacional, colocando em cheque nosso parlamento e encontrando apoio político e midiático, comemorando prisões ilegais, inconstitucionais de políticos brasileiros numa total demonstração de desrespeito e falta de diplomacia, pagando parlamentares para serem favoráveis aos interesses da Nação que representa e nenhuma reprimenda se quer é proferida pelos que assim deveriam proceder.

Está patente quando vemos governos, desviarem dinheiro do povo do cidadão em beneficio próprio, para amigos, “nações amigas”, também quando leis foram criadas para beneficiar grupos específicos na exploração de nossas riquezas, quando nossas fronteiras foram abertas para saque de nossos bens, quando desarmaram a população e sucatearam as forças armadas. 

É cristalina, quando a “suprema corte” deixa de ser guardiã da Constituição e passa a agir por interesses pessoais ideológicos, políticos de grupos específicos ou de uma Nação estrangeira, quando a nossa bandeira é relegada a segundo plano em um editorial jornalístico nacional em detrimento a bandeira de outra Nação, quando as cores de nossa bandeira são trocadas, quando os símbolos de nossa Pátria são desprezados debochados e desencorajados a expô-los.

É também uma guerra espiritual, pois, é nítido o confronto entre o bem e o mal, entre os princípios cristãos que sempre nortearam esta nação e a total falta de sentimento e interesse pelo divino, entre a fé e a incredulidade entre os bons costumes e as práticas levianas, entre o certo e o errado entre o sacro e o profano. 

É espiritual quando, da tentativa de conter Deus entre nós condenam o presidente por expressar sua fé em Deus, quando uma ministra é recorrentemente desrespeitada agredida desprezada humilhada por narrar sua experiência espiritual, quando os símbolos sagrados de uma religião são profanados, etc... Estamos em Guerra, em qual lado você está? 

----------

Para ler outras colunas de Waltair, clique AQUI.

----------

Waltair Barbosa Pacheco de Brito Junior é brasileiro, natural de Campina Grande/PB. Nascido em 04 de setembro de 1965, é formado em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Paraíba, cristão e casado.

O adolescente que matou a mãe em Campina e ‘O Silêncio dos Inocentes’ - Por Saulo Nunes

Nenhum comentário

24.8.21



Ainda repercute na Paraíba um crime impactante ocorrido em Campina Grande, nessa segunda-feira, 23 de agosto. Um adolescente de 15 anos de idade desferiu várias facadas na própria mãe, Viviane Rodrigues, que foi socorrida, mas não resistiu aos ferimentos. Fala-se em 30 ou 50 golpes, conta que só a perícia poderá aferir. 

O jovem tentou fugir, mas foi capturado. Na Delegacia de Homicídios, ele contou com detalhes - e nenhum arrependimento - como cometeu o crime e o porquê de ter feito isso. Um dos ‘motivos’, segundo ele, foi o fato de o seu pai ter sido assassinado há cerca de seis ou oito anos. No entendimento do adolescente, o crime teria sido ‘articulado’ por sua mãe.  

Essa suspeita dele perante à mãe foi confirmada por sua avó materna, em conversa com policiais na delegada. Ela disse que, ainda criança, o jovem sempre ‘se queixava’ disso, mas para a idosa, essa desconfiança não passa de exageros. Nunca houve provas de que mãe dele teria envolvimento na morte do pai. Enfim, é uma versão. Cabe à polícia investigar os fatos.

Para piorar a situação, o adolescente detido é usuário de drogas há um bom tempo. Se ele, realmente, ‘botou na cabeça’ que a mãe ajudou no assassinato do pai, essa conclusão pode ter sido turbinada pelos efeitos dos entorpecentes de que faz uso. Um profissional da mente humana vai explicar isso melhor do que eu.

O Silêncio dos Inocentes

O célebre filme O Silêncio dos Inocentes fala sobre a tragédia [mental] vivida por um menino ao vir sua irmã, mais nova, ser ‘devorada’ por homens em uma situação de fome extrema. Devido às circunstâncias do momento, alguém deveria morrer para servir de alimento aos demais. Sobrou para o ser mais indefeso. 

Esse menino cresceu tendo pesadelos com aquelas cenas, adoeceu psicologicamente, se tornou médico/psicopata e passou a matar pessoas e comer a carne das suas vítimas, exatamente como fizeram com sua inocente imã de três anos de idade. 

Se essa mãe morta pelo filho ontem em Campina Grande teve, realmente, participação do assassinato do companheiro, isso ninguém sabe dizer ainda. Mas o que se tem de concreto é que, ontem, um menino de sete anos de idade idade viu sua mãe sangrar, chorar e implorar por socorro, no momento em que era assassinada a golpes de faca.

Era o irmão do adolescente agora detido. De acordo com as investigações, essa criança presenciou toda a cena do crime e depois correu para se esconder. Silenciosa e inocentemente.

O que será desse menino daqui para frente?

-----------------------------

Para ler outros artigos de Saulo Nunes, clique AQUI.

---------------------

PERFIL

Saulo Nunes é formado em Comunicação Social pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Ingressou via concurso público no sistema penitenciário do estado em 2009, onde permaneceu como policial penal até o ano de 2015. A partir daí, também após aprovação em concurso, passou a trabalhar como Investigador da Polícia Civil. É autor de Monte Santo: A casa de detenção de Campina Grande


O plano de Efraim é quase perfeito. Não fosse um detalhe

Nenhum comentário

21.8.21


Por Lenildo Ferreira

O deputado federal Efraim Filho (DEM) lançou-se logo cedo pré-candidato ao Senado da República nas eleições de 2022. Um acerto de estratégia. Articulado, construiu logo alianças importantes, vai costurando a adesão de prefeitos e outras lideranças e, com isso, fica à frente das expectativas em um cenário de poucas possibilidades.

O parlamentar demista enxerga um cenário sem concorrentes. Ricardo Coutinho, que há menos de três anos só não se elegeu senador porque não quis, hoje é carta fora do baralho. Cássio Cunha Lima, que poderia tentar voltar à Casa Revisora, deve optar mesmo, caso retorne às disputas, pelo caminho mais simples da Câmara Federal.

Um problema seria Romero Rodrigues, caso o ex-prefeito viesse a desistir da refrega pelo Palácio da Redenção e, no meio termo, não preferisse novamente buscar o retorno à Câmara. Mas, pelo menos por ora, o ex-gestor campinense não manifestou publicamente essa possibilidade – que é bom não desconsiderar.

Sendo assim, o caminho parece aberto para Efraim conseguir seu intento, mesmo com sua irrelevância no segundo maior colégio eleitoral da Paraíba – Campina Grande.

O plano só não é perfeito por causa de um detalhe chamado Aguinaldo Ribeiro. 

O pepista pode não ser o rei da popularidade para fins de uma eleição majoritária de vaga única, mas isso não é o mais importante – e, aliás, tampouco Efraim atenderia a esse critério.

O problema, por sinal, não é da disputa pela eleição, mas de ser o candidato. 

Aguinaldo Ribeiro tem mais peso enquanto político e também no quesito grupo – o PP é muito maior que o DEM, que se resume ao próprio Efraim. 

E a consolidação de uma candidatura depende não apenas da própria viabilidade, mas do seu efeito no âmbito do conjunto político em que estará inserida. 

Resumindo: entre Aguinaldo e Efraim, o governador João Azevêdo e seu grupo indiscutivelmente optam pelo primeiro. Mesmíssima coisa no bloco de Romero. Exatamente o que ocorrerá em qualquer ajuntamento.

Sabendo-se que dificilmente teremos os dois personagens na corrida pelo Senado (afinal, ambos são pragmáticos demais para arriscar), a candidatura de Efraim Filho depende da não candidatura de Aguinaldo Ribeiro. 

Aí, sim, e sem Romero ou Cássio, a história é outra. A perfeição do plano depende dos planos dos outros...   


"Diabetes: Mitos e verdades" - Por Verônica Trajano, nutricionista

Nenhum comentário

18.8.21


Diabetes é uma doença crônica caracterizada pela falta ou má administração da insulina pelo organismo, um hormônio responsável por regular a glicose.

Os tipos de diabetes são o tipo 1 mais comum na infância e adolescência, a diabetes mellitus tipo 2, que atinge mais adultos porem, atualmente tem crescido muito o percentual entre jovens, e a gestacional, devido as mudanças hormonais que normalmente pós gravidez o organismo volta ao seu equilíbrio.

O diabetes mais comum, o tipo 2 é associada ao excesso de peso e sedentarismo, como também a genética, e muitos são os mitos que a maioria das pessoas acreditam, como por exemplo:

1. Só desenvolve diabetes quem come muito doce, MITO

Na verdade não é apenas o excesso de doce, já que toda a massa vira glicose quando metabolizada, os maiores vilões são as massas e açucares refinados.

       2. Só obesos desenvolvem a doença, MITO

Já que genética e O sedentarismo são fatores que podem levar a esse quadro, pessoas magras também podem desenvolver essa patologia.

      3. Diabéticos não podem comer pães, bolos, batatas e massas, MITO

Podem sim desde que levem em conta as porções e o tipo de carboidratos, e até o horário que se come, dando preferência a carboidratos complexos como as raízes e massas integrais, no caso de uma sobremesa que tem maior índice glicêmico, comer pós almoço que é uma refeição onde se tem uma boa quantidade de fibras.

      4. Podem comer frutas a vontade, MITO

Claro que não, a frutose que é o açúcar das frutas se ingeridas em excesso pode ser nociva, as mais doces devem ser consumidas com moderação como manga, jaca e caqui.

Lembrando que outras doenças secundárias podem surgir, como retinopatia ocular (cegueira), amputação de membros inferiores, insuficiência renal e AVC.

Portanto, o diabetes é uma patologia que pode ser evitada ou controlada com alimentação correta, equilibrada e atividade física, então mexa- se e procure seguir um plano alimentar saudável.

------------

Para ler outros artigos da autora, clique AQUI.

Verônica T. Farias – Nutricionista CRN 17739
Consultório – Rua Capitão João Alves de Lira, 565
Prata – Campina Grande – PB
Fone – 83 3322.2804

Confira a nova coluna de Alessandro Sousa: "Eventos"

Nenhum comentário

16.8.21


Quando voltaremos a ter eventos presenciais? Acredito que essa é a maior dúvida. Com o avanço da vacinação, há uma expectativa do regresso dos eventos tradicionais. Em países como Estados Unidos, Inglaterra, Austrália e a Nova Zelândia, os eventos de pequeno e médio porte já estão acontecendo e até se ensaia a liberação dos grandes eventos. Em Chicago, foi realizado o Lollapalooza 2021 para 100 mil pessoas.

No Brasil, o Governo de São Paulo anunciou 30 eventos testes voltados para cultura, negócios, lazer, esportes e turismo, com os devidos protocolos de segurança.  A partir da imunização, com maior segurança sanitária, gradualmente o retorno dos eventos com foco a diversão e lazer, além do resgate dos eventos que objetivam as estratégias corporativas e de negócios por todo país.

Pesquisa realizada pela Secretaria de Turismo de São Paulo, mostra o sentimento em relação a realização de eventos presenciais, muito otimismo. Mais de 90% dos profissionais avaliam positivamente a perspectiva de ter eventos presencias nos próximos meses, principalmente inicio do ano que vem. Um dos pontos positivos, são os protocolos adotados e o avanço da vacinação.

Que possamos seguir na estratégia da vacinação e da segurança à saúde para que o retorno aconteça de forma sustentável. 

-----------

Para ler outras colunas de Alessandro Sousa, clique AQUI.

----------

Alessandro S. Farias – Há 22 anos agente de viagens na DeltaTour CPV.


Expressão “ataques às instituições democráticas” fundamenta ataques de instituições à democracia

Nenhum comentário

13.8.21


A ordem de prisão do intragável ex-deputado Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, é o novo capítulo de uma sequência de atos completamente inconstitucionais e que agridem, com profunda violência, as garantias fundamentais previstas na Carta Magna da República.

A história do constitucionalismo é, antes de mais nada, a luta para proteger os cidadãos do arbítrio estatal. Não por acaso, os chamados direitos de primeira geração nasceram com o fim de assegurar a liberdade do indivíduo, garantindo a proteção à vida, à propriedade, às liberdades em geral e, claro, à opinião.

Nos últimos dois anos, o Brasil viu a já evidente hipertrofia do poder judiciário se amplificar de maneira grosseira, com ações cada vez mais descaradas de silenciamento das opiniões críticas, intimidação e profunda distorção das leis e da constituição.

Sob a égide de um tipo criminal absolutista, manifesto na expressão “ataques às instituições democráticas” ou “ataques à democracia”, o Supremo Tribunal Federal criminalizou a opinião, subverteu as normas, mandou às favas regras elementares do processo penal e está implodindo a democracia e o Estado democrático de direito.

O pior é que todos esses absurdos, componentes de uma quadra extremamente obscura de um país cada vez mais sob o arbítrio da toga, são aplaudidos por uma parcela significativa da sociedade pelo fato de atingirem, agora, apenas aliados do atual presidente da República. Agora.

Engajada até o tutano pela sanha ideológica e interesse financeiro, a imprensa não apenas aplaude, como vibra. A OAB, agindo cada vez mais como entidade político-partidária, chancela a violência aos direitos e garantias fundamentais. A maioria do povo e das instituições, embora sob choque, se cala pela força do medo.

Em toda ditadura, a criminalização da opinião é apresentada como um ato de proteção à coletividade e bem-estar do sistema. Assim, o Brasil, sob a justificativa cretina de resguardar a democracia, estrangula a democracia e submerge na incerteza.

Opinião: "Expectativa x Realidade" - Por Waltair Pacheco de Brito Júnior

Nenhum comentário


Recorrentemente vemos esta expressão nas redes sociais apontando situações, ações, falas, entre outros, no sentido de expressar o entendimento e ou sentimento vivido ou assistido no que tange a expectativa e ou esperança criada em algum momento e a frustração da realidade presenciada.

É fato, que o povo brasileiro tem convivido com isto desde outrora, entretanto o presente tem demonstrado que esta ideia ou conceito é mais do que em qualquer outro momento, um triste e lamentável fato corriqueiro, já que nunca é surpreendido com uma REALIDADE que esteja além da EXPECTATIVA, ou que, simplesmente, corresponda à mesma.

O povo brasileiro é sem dúvida alguma, um povo de muita garra, batalhador, trabalhador, um povo que vai a luta, que muito se esforça para conquistar, para vencer, mas, ao mesmo tempo é um povo de muita crença, de muita esperança em quem e ou o que lhes representa.

Por ser assim, grandes são as expectativas geradas em torno dos políticos que elege para representá-lo, da justiça que constituída foi para defendê-lo, das instituições criadas para ampará-lo, mas trivialmente tais expectativas têm sido frustradas ante a realidade protagonizada por estes.

Nos últimos dias, esse povo viveu o anseio e a expectativa de ter seu maior instrumento de garantia à liberdade e à cidadania, isto é, o voto com maior segurança e transparência, mas, a realidade mais uma vez foi cruel, trivialmente frustrante, decepcionante.

Esta tem sido a triste constatação de uma condição sofrível e humilhante imposta ao povo de ter suas expectativas sucumbidas pela traição dos políticos, omissão da justiça quanto aos anseios e direitos deste, mas, terrível e opostamente proporcional militância desta em desfavor do cidadão brasileiro e por fim a negligencia das instituições.

E tem mais, e vem mais, já de pronto a aprovação das novas regras eleitorais, assunto futuro.

Assim caminha o Brasil Expectativa X Realidade!

----------

Para ler outras colunas de Waltair, clique AQUI.

----------

Waltair Barbosa Pacheco de Brito Junior é brasileiro, natural de Campina Grande/PB. Nascido em 04 de setembro de 1965, é formado em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Paraíba, cristão e casado.

"A alimentação e a osteoporose": Por Verônica Trajano, nutricionista

Nenhum comentário

6.8.21


A osteoporose se caracteriza pela perda progressiva  da massa óssea, deixando os ossos fragilizados e mais propensos a fraturas. Os locais mais atingidos são o pulso, a coluna e o mais perigoso o colo do fêmur.

Essa doença atinge ambos os sexos, porém, nas mulheres pós menopausa esse índice aumenta. Apesar de ser uma patologia relacionada ao envelhecimento, ela pode também acontecer precocemente em pessoas que não atingiram o percentual de massa óssea ideal na infância até a adolescência, ou ainda por medicações, disfunção da tireoide, doenças autoimunes, alimentação podre em nutrientes como o magnésio, cálcio e vitamina D e o sedentarismo.

A alimentação deve ser o mais natural possível, para ofertar ao organismo os nutrientes necessários para produção de colágeno e aumento das células que produzem a matriz óssea que são os osteoblastos

Os nutrientes coadjuvantes nesse processo vão além do cálcio, vitamina D e magnésio, são importantes também o zinco, o silício, vitamina do complexo B, potássio e vitamina K.

Os alimentos mais relevantes na prevenção dessa patologia:

- leite e seus derivados como o queijo, o iogurte, contém boa quantidade de cálcio;

- Vegetais verde escuros como o brócolis, couve e espinafre, fontes de vitamina K;

- Sardinha rica em cálcio, vitamina D e ômega 3, contribui no aumento da densidade óssea;

- Nozes e castanhas e linhaça, também rica em ômega 3 de origem vegetal, excelente anti-inflamatório;

E para concluir não podemos esquecer da atividade física que é uma medida importante na prevenção e controle da osteoporose, promovendo o fortalecimento muscular que auxilia na integridade óssea, diminuindo o risco de fraturas.

-----------

Verônica T. Farias - Nutricionista CRN 17739
Consultório - Rua Capitão João Alves de Lira, 565
Prata - Campina Grande - PB
Consultório 83 3322.2804

"Passaporte de Segurança" - Por Alessandro Sousa

Nenhum comentário

3.8.21


A aprovação de vacinas no final de 2020 nos mostrava que o fim da pandemia parecia está mais próximo. Uma recuperação da indústria do turismo parecia ser real em um curto espaço de tempo, mas percebemos que as restrições ainda trazem retrocesso. Até entendemos que alguns estados tomem medidas sanitárias para conter avanços de possíveis variantes, mas a implantar passaporte sanitário com base no tipo de vacina não seria a meu ver a melhor decisão.

A queda no turismo, principalmente no internacional em mercados importantes antes da pandemia nos preocupa mesmo sabendo que nem todos inoculantes foram aprovados pela OMS. Até as mistura de vacinas levantam uma nova questão sobre como um turista poderia ser considerado com diferentes fórmulas aplicadas.

O que parecia ser uma solução, hoje provoca mais dúvidas do que certeza e assim o reinicio de viagens internacionais poderá ser atrasado sem o reconhecimento de todas as vacinas. Com a situação delicada, o Conselho Mundial de Viagens e Turismo emitiu alerta em decorrência da preocupação que os turistas apresentam nas fronteiras porque vários países não tem uma lista comum de vacinas internacionalmente aprovadas e reconhecidas.

 Tem aumentado os relatos de turistas que enfrentam problemas em diferentes países, até com impedimento de embarcar em seus voos. Viajantes recusados porque possuem vacinas não reconhecidas tem aumentado a preocupação de consumidores, prejudicando o setor de viagens e turismo. 

 Para evitar isso, é fundamental ter uma lista de vacinas reconhecidas e aprovadas para desbloquear as viagens internacionais, isso também dará aos turistas e viajantes a confiança que precisam para programar suas viagens internacionais.

-----------

Para ler outras colunas de Alessandro Sousa, clique AQUI.

--------

Alessandro S. Farias – Há 22 anos agente de viagens na DeltaTour CPV.


Tese da aproximação entre Cássio e Veneziano é velhíssima - e furada. Comprove

Nenhum comentário

27.7.21


Por Lenildo Ferreira

Em uma reportagem para o Diário da Borborema de 31 de julho de 2011, portanto, há quase exatamente 10 anos, escrevi sobre as teses, sempre requentadas pela imprensa a cada ano pré-eleitoral, de suposta volta às pazes entre PMDB e PSDB na Paraíba. O título da matéria era autoexplicativo: “Tentativas de reaproximar PSDB e PMDB são recorrentes. Há 10 anos, 'acordão' quase foi fechado”.

Hoje, quando a mídia paraibana, novamente em ano de véspera de eleições gerais, requenta a teoria, recordo daquela reportagem já de uma década atrás, destacando exatamente o detalhe de que, já então, a tese era velha.

Naquele longínquo 2011, o pano de fundo da matéria foram as ilações em torno de um encontro entre Cássio Cunha Lima e Veneziano Vital do Rêgo, com muito pano para manga sobre uma suposta costura política entre os dois. Veja trecho do texto de então.

A teoria (...), aparentemente infundada (...), pareceu ganhar tônus quando Cássio e Veneziano, num encontro em Campina Grande no mês de março, posaram sorridentes e amistosos para a imprensa, brindando com taças de suco e água mineral”, registramos.

E, sobre as especulações sempre criativas, ponderamos na matéria: “Na ocasião, tendo em vista a nítida falta de um candidato de peso no grupo do prefeito, chegou-se a especular a possibilidade de Veneziano apoiar o filho do ex-governador, Diogo Cunha Lima, como candidato a prefeito”. 

Da mesma sorte, apontamos o desfecho da malfadada tese: “Ao fim do encontro, Cássio e Veneziano trataram de desmentir qualquer possibilidade de parceria política e, nas últimas semanas, a relação entre os dois voltou ao velho azedume. O ex-governador criticou a gestão municipal, e o prefeito disse que o tucano sofre de ‘ociosidade mental’”.

Novamente dez anos depois, contatos entre os dois personagens voltam a alimentar as manchetes da sempre irrequieta mídia tabajarina, servindo tanto aos anseios de Cássio de se manter em evidência quanto de Veneziano de mandar um duro recado para o governador João Azevêdo, mas de prático e efetivo mesmo, nada.

Só conversa. E furada...

"Golpes no turismo – redes sociais e WhatsApp" - Por Alessandro Sousa

Nenhum comentário

25.7.21


Com mais de um ano de pandemia, a cadeia do turismo tem enfrentado uma forte crise econômica que se soma com redução de custos. Agência de viagens, hotéis, guias e receptivos, entre outros vários segmentos foram obrigados a desligar colaboradores de seus quadros. Lamentavelmente, essa é uma informação que o passageiro não toma conhecimento.

Desde o segundo semestre de 2020, o cliente passou a receber inúmeras ofertas hiper, mega, extras econômicas com muitas qualidades e mesmo sabendo que qualidade não anda de mãos dadas com baixos preços, tem cliente que acredita que a crise derrubou preços em mais e 50% dos que eram praticados antes da pandemia e entra nessa.

Em 90% dos casos, essas pessoas não são agentes de viagens e sim freelancers ou empresas sem registros nos órgão governamentais. Muitos ainda usando ilegalmente o cadastro do antigo empregador, enganam seus os clientes com preços baixos com produtos que não existem. Nesse momento de home Office ludibria os passageiros e se apropriam de dados dos clientes de forma irregular.

Sendo essa, abordagem em redes sociais como Instragram, Facebook ou WhastApp o cliente fica sem confirmar a veracidade das ofertas. Há desses, ex-funcionários que usam até crachás, e logomarcas de empresas que já trabalharam ou até mesmo de empresas, os quais, nunca fizeram parte do quadro de funcionários (empresa aérea, hotéis, agência de viagens entre outros). 

As companhias aéreas afetadas, já confirmaram vários casos de clientes que compraram pelo WhatsApp, por e-mail entre outras ferramentas virtuais e quase que em sua totalidade, só descobrem quando chegam ao aeroporto para embarque, tornando a viagem tão aguardada em pesadelo. O fato de uma viagem comprada e emitida na companhia aérea ou em sites, não garante que no check-in estará confirmado seu embarque, muitas vezes o cliente até confirma a compra, mas posteriormente pode ser cancelado pelo emissor. 

As agencias de viagens física garantem maior segurança, é onde o cliente tem o contato físico e jurídico, claro, sendo a agencia um espaço preparado e legalizado.

Já que você passou muito tempo dentro de casa, deixe um pouco o virtual, nos shoppings, galerias, ruas você pode visitar uma agência física, nela você será recebido por um batalhador diário em tempos de pandemia, e sendo a agência devidamente legalizada, você estará fazendo um negócio seguro e sem surpresas desagradáveis.

“O golpe ta ai, cai quem quer”.

-------------

Para ler outras colunas de Alessandro Sousa, clique AQUI.

-----------

Alessandro S. Farias – Há 22 anos agente de viagens na DeltaTour CPV.


"Ainda há senso de justiça neste país" - Por Waltair Pacheco de Brito Júnior

Nenhum comentário

23.7.21


Em recente decisão proferida pela Exma.: Juíza Ana Carmem Jordão Vieira da 2ª Vara de Fazenda Publica de Campina Grande à ação proposta pela Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (ATEA) contra o Ex-prefeito da Cidade Romero Rodrigues pela destinação de R$ 400 mil à eventos religiosos no período carnavalesco no ano de 2017, manifesta a magistrada a total improcedência da mesma.

Em sua decisão, a Exma.: Juíza pontua que não há qualquer ato de violação à Constituição, uma vez que as contribuições aos eventos não importam em subvenções à cultos religiosos, vedados constitucionalmente, também que as mesmas caracterizam-se por colaborações a eventos de interesse público, reconhece o valor cultural e por fim que tais contribuições alcançam também eventos seculares tradicionais.

Também em recente decisão a uma ação movida por um partido político de Campina Grande que pedia a anulação da eleição antecipada da mesa diretora da CMCG, que tramitava na mesma vara, teve como proferido o arquivamento do mesmo, que com o esgotamento do prazo para os devidos recursos no ultimo dia 16 sem que os mesmos chegassem, fica a ação em definitivo arquivada.

Em dois atos e momentos distintos, fevereiro e junho, sentenças proferidas por duas magistradas, assim como parecer do Ministério Público Estadual, julgaram improcedentes as alegações da ação e apontaram a legalidade do processo eleitoral, haja vista não haver no mesmo, violação a Lei Orgânica do município, as normas internas bem como a Constituição. 

Ainda a recente decisão da justiça do Rio de Janeiro que negou o pedido de liminar do Grupo Arco-Íris de Cidadania, do movimento LGBTQIA+, que cobrava a adoção, por parte da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), da camisa de número 24 durante a final da Copa América. Na decisão, o juiz Caetano Ernesto da Fonseca Costa argumenta que "não há omissão ou contradição a serem sanadas".

A anarquia jurídica que vive o País, promovida pela instância maior (suprema corte) em seus atos já de muito inconstitucionais, arbitrários, ditatoriais, ideológicos, sobretudo, político entre outros, tem promovido uma enxurrada de ações e ou processos desprovidos de qualquer elemento, fato e ou nexo causal que os justifique, são apenas motivações pessoais, na maioria das vezes ideológicas de grupos e ou pessoas que se sentem perseguidas, injustiçadas, sofredoras de preconceitos, que se sentem amparados pela a anarquia jurídica presente.

Vê ações que pautam o direito, o legal o senso de justiça, que buscam de fato os elementos do processo e não as ideologias, os laços afetivos, outros interesses pessoais, é salutar, faz bem a alma a nossa consciência, à nossa inteligência. Os casos citados acima nos permite ainda sonhar com um País que tenha justiça, que ampare legalmente o seu povo, seus cidadãos, sonhar com uma magistratura que faça valer os direitos de todos, do rico ao pobre, do culto ao leigo, do nobre ao plebeu.

Por mais senso de justiça!

----------------

Para ler outras colunas de Waltair, clique AQUI.

----------

Waltair Barbosa Pacheco de Brito Junior é brasileiro, natural de Campina Grande/PB. Nascido em 04 de setembro de 1965, é formado em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Paraiba, cristão e casado.

© Portal Hora Agora
Todos os direitos reservados.