header ads

"Mercados se superaram": Nova coluna de Alessandro Sousa


O primeiro semestre de 2021 não foi fácil, mas houve uma recuperação do turismo internacional no verão do hemisfério norte, o que impulsionou os resultados do terceiro trimestre do ano, e em especial na Europa.

A última edição no Barômetro Mundial do Turismo da OMT mostra que a chegada de turistas internacionais aumentou em 58% entre julho e setembro de 2021 quando comparado com o mesmo período de 2020. Os números animam, mas permanecem abaixo 64% dos níveis de 2019. Os melhores desempenhos no trimestre foram apresentados pela Europa com as chegadas internacionais 53% menos que no mesmo período de três meses de 2019. Entre agosto de setembro, as chegadas foram 63% menos em relação a 2019, mesmo assim, os melhores resultados desde o inicio da pandemia.

A chegada de turistas internacionais no mundo todo ficou 20% menos entre janeiro e setembro de 2021 quando comparados a 2020, isso representa uma melhora em relação aos primeiros seis meses do ano. Na Europa meridional, Caribe, América do Norte e Central as chegadas ultrapassaram níveis de 2020 nesses noves primeiros meses de 2021 e já se aproximando a níveis pré-pandêmicos.

Os esforços devem continuar; o Secretário Geral da OMC, Zurab Pololikashvili disse: “Os dados do terceiro do terceiro trimestre de 2021 são encorajadores. No entanto, as chegadas ainda estão 76% abaixo dos níveis pré pandêmicos e os resultados nas diferentes regiões do mundo continuam desiguais.”

O acesso as vacinas, e a flexibilização das restrições dos viajantes impulsionou o aumento na demanda. O Caribe apresentou os resultados mais fortes por sub-região.

Apesar da melhora observada no terceiro trimestre do ano, o ritmo de recuperação continua lento e desigual nas regiões do mundo. Isso se deve aos diversos graus de restrições de mobilidade, taxas de vacinação e confiança do viajante. Enquanto a Europa (-53%) e a América (-60%) tiveram uma melhora relativa durante o terceiro trimestre de 2021, as chegadas à Ásia e ao Pacífico diminuíram 95% em comparação com 2019, visto que muitos destinos permaneceram fechados para viagens não essenciais. África e Oriente Médio registraram quedas de 74% e 81% respectivamente no terceiro trimestre em relação a 2019. Entre os maiores destinos, Croácia (-19%), México (-20%) e Turquia (-35%) obtiveram os melhores resultados. em julho-setembro de 2021, com base nas informações disponíveis atualmente.

Do lado positivo, os gastos com turismo por viagem aumentaram significativamente devido à grande economia e à demanda reprimida, amenizando o golpe para as economias. As receitas internacionais aumentaram de uma média de US $ 1.000 por chegada em 2019 para US $ 1.300 em 2020 e podem ultrapassar US $ 1.500 em 2021. No entanto, o aumento dos gastos também é resultado de estadias mais longas, aumento dos preços de transporte e hospedagem.

Olhando para o Futuro

A receita do turismo internacional pode atingir entre 700 e 800 bilhões de dólares em 2021, uma pequena melhora em relação a 2020, mas menos da metade dos 1,7 trilhão de dólares registrados em 2019. A contribuição econômica do turismo é estimada em US $ 1,9 trilhão em 2021 (medida em direto produto interno bruto do turismo) bem abaixo do valor pré-pandêmico de US $ 3,5 trilhões.

A retomada segura do turismo internacional continuará a depender fortemente de uma resposta coordenada entre os países em termos de restrições de viagens, protocolos harmonizados de segurança e saúde e comunicação eficaz para ajudar a restaurar a confiança do consumidor. 

-----

Alessandro S. Farias – Há 23 anos agente de viagens na DeltaTour CPV.

----

Para ler outras colunas de Alessandro Sousa, clique AQUI.


Postagem Anterior Próxima Postagem